ESTUDO DE CASO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS NO BAIRRO DA PEDREIRA-BELÉM/PA

RESUMO

Os maiores beneficiados pela coleta seletiva são o meio ambiente e a saúde da população. A reciclagem e a reutilização de papéis, vidros, plásticos e metais representam em torno de 40% do lixo doméstico, o que reduz a utilização dos aterros sanitários, prolongando sua vida útil. Além disso, a reciclagem e a reutilização implicam uma redução significativa dos níveis de poluição ambiental e do desperdício de recursos naturais, através da economia de energia e matérias-primas. Assim, o presente trabalho apresenta uma avaliação da coleta seletiva porta a porta de resíduos sólidos recicláveis, implantada pela prefeitura de Belém-PA em parceria com a Rede Recicla Pará (RRP) no início do ano de 2012 no Bairro da Pedreira, com intuito de se adequar a Lei nº 12.305/2010. A avaliação foi desenvolvida através da descrição da área de estudo e levantamento de informações, acerca do histórico da coleta seletiva no município de Belém/PA, da implantação da coleta seletiva porta a porta no bairro da Pedreira, de seus aspectos operacionais e da evolução quantitativa dos materiais recicláveis mais coletados, além dos principais problemas encontrados. Como resultado deste estudo, percebeu-se um crescimento inicial na quantidade de materiais recicláveis coletados no bairro, porém por problemas estruturais este crescimento foi prejudicado. A participação da população poderia ser maior se houvesse ampla divulgação da coleta, um exemplo disso é a falta de informação de alguns moradores quanto os tipos de materiais recicláveis arrecadados pelos catadores. A avaliação da coleta seletiva porta a porta no bairro da Pedreira vem contribuir com a identificação dos problemas no sistema atual e sugerir soluções e/ou ajustes para tais, visando a melhora do sistema.

Palavras chaves – Coleta Seletiva Porta a Porta. Resíduos Sólidos. Bairro da Pedreira. Cooperativas.

1      INTRODUÇÃO

 

Uma das maiores preocupações ambientais da sociedade contemporânea é a questão dos resíduos sólidos, cujas quantidades crescentes são resultados de novos padrões culturais impostos pela sociedade industrial.

O volume de resíduos descartados diariamente é aumentado de modo permanente pela obsolescência dos bens de consumo, levando a uma oferta cada vez maior de energia e matérias-primas (SCHNEIDER, 2004).

O descarte inadequado dos resíduos sólidos provoca consequências não apenas ao meio ambiente, mas à qualidade de vida da população, principalmente no que diz respeito à saúde. Para solucionar a problemática dos resíduos sólidos é necessário um planejamento para o gerenciamento dos mesmos, que consiste no acondicionamento, coleta, transporte, tratamento e destinação final adequada dos resíduos, sendo de fundamental importância também à realização de campanhas educativas para a conscientização da população a respeito de suas ações referente ao lixo, pois sendo estes a fonte geradora, devem ser sensibilizados e conhecedores dos impactos negativos decorrentes da falta de consciência de seus atos.

A coleta seletiva é um processo de coleta e segregação dos resíduos na fonte geradora e parte integrante do gerenciamento dos resíduos sólidos, além de proporcionar a recuperação do valor agregado nos resíduos e de promover a inserção social dos catadores.

Nesse sentido, este trabalho tem como objetivo geral avaliar a coleta seletiva porta a porta de resíduos sólidos recicláveis, tendo como área de estudo o Bairro da Pedreira, localizado no município de Belém-PA, bem como, responder os seguintes questionamentos: a infraestrutura oferecida pela Prefeitura Municipal de Belém (PMB) atende as necessidades do sistema de coleta seletiva proposto? e quais os seus  principais problemas?.

 

 

2      METODOLOGIA

 

Para alcançar os objetivos traçados neste trabalho foi desenvolvida e aplicada no período de agosto de 2011 a agosto de 2012 uma metodologia que compreende as seguintes etapas: levantamento bibliográfico, descrição da área de estudo e levantamento de informações, acerca do histórico da coleta seletiva no município de Belém/PA, seus aspectos operacionais, tipos de materiais recicláveis coletados, bem como a quantidade desses materiais, além dos principais problemas enfrentados.

 

2.1  ÁREA DE ESTUDO

 

O Bairro da Pedreira é um bairro residencial de classe média, localizado entre a periferia e o centro de Belém, delimitado pela Passagem São Luiz, Visconde de Inhaúma, Travessa Antônio Baena e Rua Nova.

A Pedreira está passando atualmente por um intenso processo de verticalização, sua população está estimada em 69.608 habitantes (IBGE, 2010). Sua localização pode ser vista no Mapa 1.

 

2.2  LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES

 

Baseando-se na pesquisa bibliográfica, as diretrizes para o trabalho de campo foram traçadas, buscando dados para a avaliação da coleta seletiva porta a porta de resíduos sólidos implantada no bairro da Pedreira. As informações levantadas foram:

a)     Levantamento do histórico da coleta seletiva no município de Belém, obtidas através de materiais digitais fornecidos pela Secretaria Municipal de Saneamento de Belém (SESAN).

b)     Implantação da coleta seletiva porta a porta no Bairro da Pedreira, obtidas através de entrevistas com Representantes da Rede Recicla Pará (RRP), Técnicos e Engenheiro Sanitarista da SESAN e conversas informais com a população.

c)     Aspectos operacionais do sistema de coleta seletiva porta a porta no Bairro da Pedreira, conseguidas através de entrevistas com Representantes da RRP, acompanhamento da coleta seletiva na área de estudo e visitas à estrutura de apoio, onde foi observado os seguintes aspectos:

  • · Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
  • · Tipos de materiais recicláveis coletados.
  • · Forma de trabalho e equipamentos utilizados para a coleta.
  • · Estrutura de Apoio.
  • · Triagem, transporte, pesagem e venda dos materiais coletados.

d)     Evolução quantitativa de materiais recicláveis coletados, no Bairro da Pedreira, obtidas através de documentos fornecidos pela RRP.

e)     Identificação dos principais problemas no sistema de Coleta Seletiva Porta a Porta do Bairro da Pedreira, conseguidas através de entrevistas com catadores da RRP e moradores do bairro e observações realizadas na área de estudo, como:

  • · Mão de obra.
  • Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
  • · Transporte dos catadores.
  • · Grandes geradores.
  • · Edifícios.
  • · Falhas na divulgação da coleta seletiva.
  • · Falta de informação por parte da população.
  • · Interferência na quantidade de materiais coletados.

 

3      RESULTADOS E DISCUSSÕES

 

3.1  HISTÓRICO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE BELÉM

Segundo informações obtidas na SESAN, em 1997 ocorreu organização dos grupos de catadores havendo a realização de cursos para os mesmos, neste período, havia coleta seletiva pontuais atendendo grandes geradores de resíduos. O Programa “Coleta Seletiva” teve início em 2001, em parceria com a Cooperativa de Trabalho dos Profissionais do Aurá (COOTPA).

Somente em 2002, foi realizada a distribuição de containers verdes nos bairros centrais e condomínios, implantando-se os PEV’S. Em 2005, a coleta seletiva passa a ser realizada por um grupo de catadores em parceria informal com a PMB, ocorrendo em 2007 à reestruturação do Programa “Coleta Seletiva” com a parceria entre a PMB e Associação das cooperativas de Coleta Seletiva de Belém (ACCSB).

Sendo que a partir de então a coleta passa a ser realizada através de roteiro nos bairros centrais, no entanto tal iniciativa restou também infrutífera como as anteriores. Finalmente em 2012, ocorreu a ampliação do Programa “Coleta Seletiva”, em parceria entre a PMB e Rede Recicla Pará.

A coleta passa então a ser realizada de porta em porta seguindo a um roteiro preestabelecido, com o intuito de se adequar a Lei 12.350 de 2010 na qual se instituiu a política Nacional de Resíduos Sólidos, definindo o acesso aos recursos encaminhados da União aos municípios que implantem programas de coleta seletiva com a participação de trabalhadores de baixa renda, visando à inclusão destes no mercado de trabalho.

 

3.1.1     Rede Recicla Pará

 

A Rede de Economia Solidária de Catadores de Matérias Reutilizáveis e Recicláveis do Estado do Pará, que atua sob o nome “fantasia” “REDE RECICLA PARÁ”, foi lançada em 7 de junho de 2011, mesma data em que é comemorado o Dia Nacional do Catador, no auditório da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), em Belém.

A RRP possibilitou a integração de várias cooperativas e associações de catadores, antes da rede elas eram dispersas e cada uma tentava isoladamente garantir espaço dentro do mercado da reciclagem e das políticas públicas do setor.

A rede tem por objetivo unir os catadores do Estado, contribuindo para o fortalecimento da economia solidária. A filosofia da Rede segundo Nathália (integrante da RRP, 2011) é que:

“No Pará catador não cata, mas coleta, reutiliza e recicla, ou seja, nosso desenvolvimento se dará pela prática efetiva da coleta seletiva solidária em nosso Estado. Nosso slogan é “Sustentabilidade na Amazônia”

 

Segundo reportagem do dia 12 de junho de 2011 do blog do Grupo de Combate ao Lixo de Belém (GCLB), fazem parte da RRP 15 cooperativas e associações do Estado do Pará, como representado no Quadro 7.

Quadro 1 – Cooperativas e associações do Estado do Pará.

Nome

Sigla

Município

Cooperativa de Trabalho dos Profissionais do Aurá

COOTPA

 Ananindeua

Cooperativa dos Catadores da Pedreira

COOCAPE

Belém

Cooperativa de Produção e Reciclagem

COOPROREM

Moju

Cooperativa dos Catadores de Materiais Recicláveis de Abaetetuba

COOMCLIMA

Abaetetuba

Cidadania para Todos

-

Belém

Associação de Curuçá

-

Curuçá

Cooperativa de Castanhal

-

Castanhal

Associação dos Recicladores das Águas Lindas

ARAL

 Ananindeua

Associação dos Catadores de Belém

 Belém

Cooperativa de Materiais Recicláveis dos Caetés

COOMARCA

Bragança

Associação dos Catadores de Benevides

-

Benevides

Associação dos Catadores do Marajó

-

Marajó

Cooperativa de Abaetetuba

-

Abaetetuba

Associação de Catadores de Resíduos Sólidos e Matérias Recicláveis

ASCAMARE

Marituba

Projeto Ação7 e Cidadania

-

Belém

 

Fonte: blog do Grupo de Combate ao Lixo de Belém (GCLB), 2011.

 

 

3.2  IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA PORTA A PORTA NO BAIRRO DA PEDREIRA

 

Em Janeiro de 2012, a PMB representada pela Secretaria Municipal de Saneamento de Belém (SESAN), implantou a coleta seletiva porta a porta no bairro da Pedreira, oferecendo suporte infraestrutural aos catadores, disponibilizando ônibus, alimentação, Equipamentos de Proteção Individual (EPI`s), caminhões, big bag’s, contêineres, galpão para armazenamento e triagem dos materiais e suporte técnico, como a elaboração dos roteiros de coleta.

A divulgação no bairro foi realizada por técnicos da SESAN e pelos próprios catadores, através de conversas com os moradores, informando os tipos de materiais que podem ser reciclados, a importância da colaboração dos mesmos para o êxito do projeto, assim como os dias e horários de coleta. Para a identificação dos participantes do programa, utilizou-se um adesivo como o ilustrado na ¡Error! No se encuentra el origen de la referencia., os quais eram afixados nas fachadas das residências com o intuito de estimular a comunidade a participar do projeto, além dos adesivos, foram distribuídos também sacos plásticos, como ilustrado na ¡Error! No se encuentra el origen de la referencia., para o acondicionamento do material reciclável.

3.3  ASPECTOS OPERACIONAIS DO SISTEMA DE COLETA SELETIVA PORTA A PORTA NO BAIRRO DA PEDREIRA

 

Os catadores são conduzidos dos bairros onde moram até o bairro de coleta por um ônibus cedido pela SESAN, com motorista da secretaria e abastecido de combustível, a secretaria também é responsável pelo transporte de retorno dos mesmos para os bairros onde moram.

A coleta é realizada no horário das 08h às 17h. Para melhor organização da coleta foi feita a setorização do bairro em setores A e B, no setor A a coleta é realizada as segundas-feiras na área da poligonal da Doutor Freitas, Visconde de Inhauma, Antônio Baena e Pedro Miranda e no setor B a coleta é realizada as quartas-feiras na área da poligonal da Doutor Freitas, Rua Nova, Antônio Baena e Pedro Miranda, conforme pode ser observado no Mapa 2.Algumas ruas de coleta são de grande extensão, por isso compreendem tanto ao setor A quanto ao B, tais ruas são apresentadas no Quadro 8.

 

Ruas

1

Avenida Doutor Freitas

2

Travessa Alferes Costa

3

Travessa Perebebuí

4

Travessa Pirajá

5

Travesso Enéas Pinheiro

6

Travessa Lomas Valentina

7

Travessa Angustura

8

Travessa Barão do Triunfo

9

Travessa Mauriti

10

Travessa Mariz e Barros

11

Travessa Timbó

12

Travessa Vileta Costa

13

Travessa Humaitá Costa

14

Travessa Chaco

15

Travessa Curuzu

16

Travessa Antônio Baena

 

Fonte: Pesquisa direta, 2012.

 

 

Nos outros dias da semana a coleta seletiva porta a porta é realizada nos bairros da Marambaia (quintas-feiras) e no Marco (terças- feiras), já nas sextas-feiras não há coleta nas ruas, pois é o dia reservado para triagem final e venda dos materiais. Segundo Marcelo Rocha (2012), presidente da RRP, o bairro da Pedreira corresponde a 55% do total de material coletados nos três bairros.

 

3.3.1     Equipamento de Proteção Individual – EPI

 

A SESAN fornece aos catadores EPI’s compostos de calças compridas ou saias, blusas de mangas compridas, chapéus com proteção para o pescoço, botas para proteção contra contaminação e objetos perfurantes e luvas

 

3.3.2     Tipos de Materiais Recicláveis Coletados

 

Os tipos de materiais recicláveis coletados no bairro da Pedreira são apresentados no Quadro 9.

 

Quadro 3 – Materiais recicláveis coletados.

 

Materiais

Fibrosos

Papelão

Caixa

Papel branco

Papel misto

Jornal

Plástico

Água sanitária (branco)

Água sanitária (color)

Água mineral

Plástico duro

Plástico filme

PVC

Embalagem margarina

PET

Metais não ferrosos

Alumínio

Cobre

Inox

Metais ferrosos

Lata

Aço

Ferro

Oleosos

Óleo de cozinha

Tecnológico

Cartucho / Tonner

Bateria

Eletroeletrônico

Borracha

Pneu

Vidro

Garrafa

Fonte: RRP, 2012.

 

3.3.3     Forma de Trabalho e Equipamentos Utilizados para a Coleta

 

Os catadores são divididos em três grupos, um fica responsável em distribuir os contêineres e big bag’s (grandes sacos de nylon), como representado nas Fotografias 3 e 4 respectivamente, outro grupo faz a triagem dos materiais recicláveis coletados e o último é deslocado para coleta porta a porta.

 

Os catadores deslocados para a coleta porta a porta são divididos em duplas, ficando as mesmas responsáveis pela coleta de dois quarteirões, um pelo período da manhã e outro pela tarde, com cada dupla são deixados dois contêineres e dois bags torre. Os catadores visitam as residências perguntando aos moradores se têm materiais recicláveis a serem coletados, como mostra a Fotografia 5.

Os materiais arrecadados são acondicionados dentro dos contêineres para posteriormente serem transportados até os bags, conforme ilustrado na Fotografia 6, que ficam posicionados nas esquinas dos quarteirões até a chegada da caçamba de coleta.

A rota de coleta da caçamba pode ser observada no             Mapa 3, a arrecadação dos materiais pela caçamba é feita no final da manhã e da tarde, sendo os materiais transportados até o galpão de armazenamento e triagem.

Vale ressaltar que existem grandes geradores de materiais recicláveis no bairro, como gráficas, conforme pode ser observado na Fotografia 7. E para alguns destes geradores são destinados contêineres de capacidade de 750 litros como pode ser visto na Fotografia 8¡Error! No se encuentra el origen de la referencia., que são coletados periodicamente.

 

3.3.4     Estrutura de Apoio

 

A estrutura de apoio até o termino desta pesquisa foi constituída por um galpão improvisado localizado dentro da SESAN, como apresentado na Fotografia 9, sendo utilizado para armazenamento e triagem dos materiais recicláveis coletados, este espaço é provisório, pois a prefeitura já dispõem de um galpão estruturado, com silos para recepção dos materiais, mesas manuais de triagem, baias para armazenamento dos materiais triados, balança, empilhadeira, máquina de prensa, banheiros, refeitório, depósito e administração, conforme a Fotografia 10, para a alocação das cooperativas e associações, porém por questões burocráticas e organizacionais ainda não estava em funcionamento.

 

3.3.5    Triagem, Transporte, Pesagem e Venda dos Materiais Coletados

 

Após a chegada dos materiais recicláveis coletados no bairro da Pedreira ao galpão da SESAN, como mostra a Fotografia 11 é realizada a triagem dos mesmos por um grupo de catadores, os materiais são separados de acordo com os tipos e colocados em big bag’s, conforme ilustra a Fotografia 12.

Posteriormente a triagem, os big bag’s abastecidos são enfileirados na rua em frente ao galpão aguardando o transporte para venda, como mostra a ¡Error! No se encuentra el origen de la referencia. 13.

Apenas os papelões não são armazenados em big big bag’s, pois devido apresentarem grandes volumes e o galpão não possuir prensa os mesmos são transportado soltos dentro do caminhão, como mostra a Fotografia 14.

A venda dos materiais é realizada todas as sextas – feiras, porém quando a coleta da semana é produtiva atingindo a quantidade de 16 big bag’s antes deste dia, os materiais são transportados antecipadamente até as empresas compradoras, onde são pesadas, pois o galpão da SESAN não dispõe de uma balança. O pagamento da carga é realizado no ato da compra e o dinheiro respectivo à venda é dividido igualmente entre os catadores, entretanto quem falta durante a semana sem justificativa, não recebe o valor total referente à sua parte do pagamento, sendo descontados os dias de faltas e o valor subtraído dividido entre os demais.

 

3.4         EVOLUÇÃO QUANTITATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS MAIS COLETADOS NO BAIRRO DA PEDREIRA

 

No Gráfico 1, pode ser observado o crescimento da quantidade de materiais recicláveis mais coletados no bairro da Pedreira durante os meses de Fevereiro, Março, Abril e Maio de 2012, isso se deve ao fato da maior participação da população a coleta, entretanto no mês de Maio houve redução na frequência da coleta devido problemas estruturais e de mão de obra, o que causou a redução da quantidade de materiais coletados.

 

4      PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS

 

4.1  MÃO DE OBRA

 

Através de entrevistas com os representantes da RRP e SESAN, constatou-se que na coleta seletiva porta a porta no bairro da Pedreira atuam somente 41 catadores, esse número é insuficiente para cobrir todo o bairro, isso acontece porque a maioria dos catadores cooperados ainda trabalha de forma individual em outros locais, como no lixão do Aurá, pois alegam que trabalhando por conta própria ganham mais. Declaram também que se houvesse vínculo empregatício ou qualquer tipo de auxilio financeiro por parte da prefeitura, o número de catadores provavelmente seria maior, pois os mesmos teriam garantia de renda fixa.

O número de faltas dos catadores que atuam no bairro é outro problema que prejudica a regularidade e a pontualidade da coleta, pois alguns catadores ainda não têm o hábito do trabalho “organizado”, com horários e regras, já que não era a forma que costumavam trabalhar, por serem informais. Foi constatado que o dia mais crítico de ausências são as segundas – feiras.

 

4.2   EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI’s)

 

Não são todos os catadores que utilizam os EPI’s fornecidos pela SESAN, pois alegam que o uniforme causa incômodo. Outro problema encontrado foi o não fornecimento de bloqueador solar aos catadores, pois os mesmos se expõem aos raios solares diariamente.

 

4.3  TRANSPORTE DOS CATADORES

 

Por haver apenas um ônibus disponível para o transporte dos catadores até os locais de coleta, quando o mesmo tem algum problema que impede seu funcionamento, os catadores são transportados na carroceria das caçambas de distribuição dos bags e contêineres, como mostra a Fotografia 15.

 

4.4  GRANDES GERADORES

 

Não são todos os grandes geradores do bairro que aceitam manter o contêiner, pois alegam que além de ocupar um espaço considerável a geração de resíduos recicláveis não é constante. Fato este que acaba causando transtornos aos catadores, pois durante a coleta estes têm que armazenar grandes volumes de material de tal estabelecimento,¡Error! No se encuentra el origen de la referencia. preenchendo rapidamente os bags o que ocasiona a não conclusão do percurso planejado, foi observado ainda que alguns materiais são deixados na calçada, ¡Error! No se encuentra el origen de la referencia.principalmente o papelão por ocupar grande volume.

4.5  EDIFÍCIOS

Em alguns edifícios os moradores não dispõem os resíduos recicláveis em locais predeterminados, fazendo com que os catadores se desloquem de pavimento em pavimento, acompanhados pelo zelador em busca dos materiais, o que acaba causando atrasos no itinerário ou o não cumprimento do mesmo por completo, transmitindo descredibilidade a população, que já estava à espera da coleta e a mesma não ocorre.

 

4.6  FALHAS NA DIVULGAÇÃO DA COLETA SELETIVA

 

A divulgação da coleta não atingiu 100% da população, pois não havia pessoal e material suficientes para cobertura de todo o bairro, fazendo-se necessária uma melhor divulgação e ações continuadas para adaptação da população ao novo serviço.

 

4.7  FALTA DE INFORMAÇÃO POR PARTE DA POPULAÇÃO

 

Uma parcela significativa da população ainda tem dúvidas sobre quais os tipos de materiais recicláveis são coletados, pois foi verificado no trabalho de campo que em muitas residências são separados materiais recicláveis, porém não coletados, pois em Belém não há mercado para venda de tais matérias, como por exemplo o isopor.

 

4.8  INTERFERÊNCIA NA QUANTIDADE DE MATERIAIS COLETADOS

 

A quantidade de materiais coletados sofre interferência de catadores autônomos, que se aproveitam do momento em que não há nenhum catador próximo aos big bag’s, para retirar os materiais recicláveis com maior valor econômico.

 

5      CONCLUSÃO

 

A Coleta Seletiva Porta a Porta implantada pela Prefeitura de Belém no Bairro da Pedreira apesar de não atender o bairro todo, pois há um reduzido número de catadores e de não ter sido realizado um trabalho efetivo de sensibilização da população, em um primeiro momento obteve bons resultados, como pode ser observado no gráfico da produção quantitativa dos materiais recicláveis no qual se estabeleceu um comparativo entre os meses de Fevereiro, Março, Abril e Maio de 2012.

Nos três primeiros meses de implantação do sistema houve crescimento da produção de um mês para o outro, no entanto, a partir do mês de Maio a infraestrutura oferecida pela prefeitura veio a apresentar várias falhas, como ônibus e caçambas de coleta com defeitos mecânicos, assim como a falta de motorista e combustível, o que prejudica a frequência da coleta, causando impacto direto na quantidade de materiais recicláveis coletados e por consequência a desistência de alguns catadores, já que trabalham por produção, causando também descredibilidade junto à população que aguarda por um serviço que não passa nos dias e horários pré-estabelecidos. A fim de minimizar estes inconvenientes, é necessário que haja por parte da Prefeitura um trabalho de manutenção preventiva nos equipamentos que são utilizados para a realização da coleta seletiva.

Além disso, outro problema encontrado foi a falta de orientação e treinamento aos catadores por parte da prefeitura de como lidar com a população, sendo necessários cursos de capacitação e algum tipo de ajuda de custo para incentivar o comprometimento em relação ao trabalho de coleta, pois muitos buscam trabalhos externos para complementar a renda já que trabalham por produção e a renda não é fixa, com isso provavelmente o número de catadores aumentaria e por consequência a coleta abrangeria todo o Bairro, o que possibilitaria também a fiscalização por parte dos próprios catadores da rede aos big bag’s, que sofrem interferência de catadores autônomos que se aproveitam do momento em que não há nenhum catador próximo, para retirar os materiais recicláveis com maior valor econômico.

Os grandes geradores que não aceitam manter o contêiner para armazenamento dos materiais recicláveis ocasionam atrasos no percurso da coleta e consequentemente a não conclusão deste, pois os catadores têm que repetir várias vezes o mesmo trajeto. Uma sugestão para solucionar este problema é realizar a coleta nesses locais ao final do dia com o caminhão que coleta os big bag’s, entretanto os materiais já teriam que estar separados e organizados pelos catadores responsáveis pela coleta daquele quarteirão.

Um trabalho constante de sensibilização mostrando a importância dos EPI’s na prevenção de acidentes, como no possível contato com materiais contaminados que podem prejudicar a saúde dos catadores se faz necessários, pois há resistência quanto a utilização, devendo existir também fiscalização da Prefeitura (SESAN), assim como da Rede Recicla Pará (RRP) quanto ao uso efetivo dos EPI’s pelos catadores.

O galpão utilizado para armazenamento e triagem dos materiais recicláveis coletados no início da implantação da Coleta Seletiva Porta a Porta no Bairro da Pedreira fugia aos padrões estabelecidos pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e do Ministério das Cidades (MC), pois era um espaço improvisado sem silos, mesas de triagem, baias, prensa, balança, estoque de fardos, depósito e local adequado para descarga de materiais e carregamento de fardos, dentre outros problemas observados. No entanto, o novo galpão para onde foram transferidas as atividades supracitadas atende parcialmente os padrões estabelecidos pelo MMA e MC, pois possui silos, mesas de triagem, baias, prensa, balança, estoque de fardos, depósito e local adequado para descarga de materiais e carregamento de fardos, vestiários, refeitório e administração, em contrapartida necessita de ajustes para otimização de seu funcionamento. Vale resaltar que aparentemente o novo galpão é pequeno para atender todo o Município de Belém, pois todas as cooperativas e associações que fazem parte da Rede e atuam no município de Belém deverão trabalhar neste espaço.

Durante a pesquisa foi observado que um trabalho de divulgação e mobilização mais amplo se faz necessário, como divulgação em rádios, jornais e TV, assim como, parcerias com escolas, igrejas e centros comunitários para que a população tome conhecimento da coleta de uma forma mais ampla, e tenham noção da importância social e ambiental da coleta seletiva visando desta forma aumentar o número de adesões ao projeto.

 

REFERÊNCIAS

 

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10.004. Resíduos Sólidos, Classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

 

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências, Brasília.

 

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução 275/01. Estabelecer o código de cores para os diferentes tipos de resíduos, a ser adotado na identificação de coletores e transportadores, bem como nas campanhas informativas para a coleta seletiva. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res01/res27501.html> Acessado em: 13/11/2011.

 

BALDISSARELLI, Adriana et al. Considerando mais o lixo.  2ª. edição revisada e ampliada. Florianópolis, 2009. 90p.

 

Fundação Nacional de Saúde. Manual de Saneamento. Brasília: FUNASA, 2006. 408p.

 

INSTITUTO BRASILEIRO ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL – IBAM. Manual de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro: 2001. 193 p.

 

INSTITUTO DE PESQUISA TECNOLÓGICA – IPT, COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM – CEMPRE. Lixo Municipal: Manual de Gerenciamento Integrado. 2ª ed. São Paulo: IPT, 2000. 370 p.

 

MANO, Eloisa Biasotto; PACHECO, Élen B. A. V.; BONELLI, Cláudia M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 2ª Ed. São Paulo: Blucher, 2010.

 

BARROS, Raphael T. de. V. et allii. Manual de Saneamento e Proteção Ambiental para os Municípios, vol 2. Saneamento. Belo horizonte: Escola de Engenharia da UFMG, 1995. 221p.

 

PHILIPPI, Arlindo Júnior. Saneamento, Saúde e Ambiente: Fundamentos para um desenvolvimento sustentável. Coleção Ambiental 2. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, Núcleo de Informações em Saúde Ambiental, 2005.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/mapa_site/mapa_site.php#populacao> Acesso em 10/03/2012.

 

Diagnóstico do Manejo dos Resíduos Sólidos Urbanos 2010. Disponível em: <http://www.snis.gov.br/PaginaCarrega.php?EWRErterterTERTer=93>Acesso em: 15/08/2012.

 

Programa “Coleta Seletiva”. Secretaria Municipal de Saneamento (SESAN). Belém, 2012.

Para citar este artículo puede utilizar el siguiente formato:
Oliveira de Souza, Ariani,Azulay Ramos, Michelle y Queiroz Bahia, Pablo: "Estudo de caso da coleta seletiva de resíduos sólidos recicláveis no bairro da Pedreira-Belém/PA" en Revista Caribeña de Ciencias Sociales, noviembre 2014, en http://caribeña.eumed.net/residuos-solidos/

Revista Caribeña de Ciencias Sociales es una revista académica, editada y mantenida por el Grupo eumednet de la Universidad de Málaga.